Páginas

terça-feira, 17 de novembro de 2009

INTOLERANCIA NA ASSEMBLÉIA DE DEUS

Sou assembleiano de coração e amo minha igreja, pois foi esta que Deus mostrou-me numa visão antes de aceitar o Senhor como meu Salvador. Porém, jamais concordarei com atitudes como estas, principalmente partindo daqueles que deveriam cuidar e até dar a vida, se fosse o caso, pelas ovelhas, que são propriedades do Senhor.

O fato ocorrido é realmente deprimente e lamentável, mas que pode servir de reflexão e admoestação para aqueles que tem um zelo pela obra missionária, que no momento de escolher determinados obreiros, o façam seguindo o exemplo da igreja primitiva:

Atos 1. 2425: "E, orando, disseram: Tu, Senhor, conhecedor dos corações de todos, mostra qual destes dois tens escolhido, Para que tome parte neste ministério e apostolado, de que Judas se desviou, para ir para o seu próprio lugar".

Cena Deprimente em Mundo Novo

Intolerância pastoral na Assembleia de Deus de Mundo Novo.
É simplesmente lamentável o relato que aqui segue, em poucas linhas. Isso ainda ocorre em plena época do iluminismo, e justamente no pátio de uma das mais conceituadas denominações evangélicas do Brasil, que é a Assembleia de Deus. Família humilde, composta de 5 pessoas. O casal Claudemiro e Marli, com 3 filhos, dentre os quais uma criancinha de apenas 4 meses. Era oriunda de Mamborê e estava de viagem para Sorriso. Uma paragem em Mundo Novo, para uma visita ao tio, João Carlos. O casal não sabia que a Igreja tinha um novo pastor (eis que João Vilande pastoreia hoje a Igreja em Ibiporã), mas procurou um abrigo, para pernoitar uma noite, onde pudesse pelo menos dar um banho na pequena Cláudia Mara.

Embora com carta de recomendação, a acolhida não aconteceu, o que deixou a indefesa família desorientada. Contudo, um diácono, sem as devidas condições, acomodou todos em seu lar, derramando lágrimas copiosas, pelo mau atendimento que presenciou na tarde de 9 de novembro. A orientação dos dirigentes foi para que não dessem apoio à família, sem qualquer justificativa.

Esse fato é simplesmente deplorável, pois a Igreja tem, dentre outras funções, o dever de bem acolher as pessoas, fazendo o bem "sem olhar a quem".

Diante desse triste episódio, que foi documentado pela imprensa, cabe uma reflexão: onde está o espírito de misericórdia e de urbanidade de quem se diz "pastor de ovelhas"? Com certeza, pessoas desse naipe receberão, no momento exato a recompensa de seus atos. A lei da semeadura: "tudo o que o homem semear, isso também ceifará..." E mais na lei universal: o carma, certamente não poupará ninguém, muito menos quem se diz ter a consciência mais evoluída.

Existem pastores, e não são poucos, que preferem dar atenção aos mais ricos, e se esquecem que o Mestre Jesus veio exatamente para os mais pobres, desprovidos de esperança. "Eles" estão mais preocupados com o "Caixa da Igreja" do que propriamente com o apoio que devem dar às fiéis ovelhas, que têm sempre a lâ tosquiada. Pobres desses dirigentes cegos, cujo fim é o opróbrio, como já se viu muito por aí, diante da negligência que praticam. (JLA)

Fontes: http://imparcialnews.com.br/modules/smartsection/item.php?itemid=556

Um comentário:

  1. ESQUECERAM OU IGNORARAM O QUE CRISTO DISSE, ESTIVE AFLITO E NÃO ME ASSISTISTES. APARTAI-VOS DE MIM MALDITOS PARA O ...

    ResponderExcluir