Páginas

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Jesus foi pregar aos mortos no INFERNO ou no HADES?


INTRODUÇÃO

A lição da EBD desta semana que traz como tema “A família que sobreviveu ao dilúvio”, aborda no seu último tópico um tema aparentemente polêmico e confuso. Onde as almas dos antediluvianos foram lançadas? No Inferno ou na hades? Qual o motivo de Jesus no interlúdio entre sua morte e ressurreição ter ido ao mundo dos mortos pregar a estes?

A bíblia não fornece muito detalhes sobre isso, mas não são poucos os que se arriscam a opinar sobre o tema. Eu também o farei, procurando embasar-me o melhor possível nas escrituras. Lembro que o que comentarei é minha opinião, e meu intuito não é contradizer o comentarista da lição e nem querer mudar o pensamento de quem quer que seja, pois não sou dono da verdade.

COMENTÁRIO DA LIÇÃO

O ponto 2 do Tópico IV da lição desta semana aborda sobre a questão do juízo divino no inferno, como segue:

2. O juízo divino no inferno. Não resta dúvida de que toda aquela geração pereceu e foi lançada no inferno, onde aguarda a última ressurreição, a fim de comparecer ao Juízo Final (Apocalipse 20 : 11 - 15). Eles sabem que isso acontecerá, pois o Senhor Jesus, no interlúdio entre a sua morte e ressurreição, esteve no hades, onde lhes proclamou a eficácia da justiça divina.

Escreve o apóstolo Pedro: "Pois também Cristo morreu uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito, no qual também foi e pregou aos espíritos em prisão, os quais, noutro tempo, foram desobedientes quando a longanimidade de Deus aguardava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca, na qual poucos, a saber, oito pessoas, foram salvos, através da água" (1 Pedro 3 : 18 - 20 - ARA), A geração de Noé recusou-se a ouvi-lo, mas viu-se obrigada a escutar o Senhor Jesus que, além de pregoeiro da justiça, apresentava-se, agora, como Rei dos reis e Senhor dos senhores. Sua pregação não era redentiva, mas vindicativa

Observe que o texto diz que a geração antediluviana foi lançada no INFERNO e em seguida afirma que Jesus esteve no HADES. Afinal, onde aquela geração foi lançada? No INFERNO ou no HADES? Quem está errado, o comentarista ou os escritores sacros? Muitos críticos da bíblia consideram-na como confusa e contraditória por causa de temas como estes. Mas essa confusão e aparente contradição é consequência das inúmeras traduções e versões da bíblia que hoje existem, quais muitas estão com acréscimos e subtrações nos seus textos. Quanto ao assunto em estudo, essas versões misturam e trazem confusão ao leitor sobre INFERNO, SHEOL e HADES, como sendo a mesma coisa. Para se ter uma melhor compreensão de determinados assuntos aparentemente polêmicos, é bom se valer de uma bíblia que se aproxime dos escritos originais. A Bíblia King James é uma das poucas traduções que mais se aproximam dos textos originais, assim como a Almeida Fiel. Farei uso de alguns textos da King James, qual define esses lugares:


SHEOL: Embora algumas versões confundam Sheol ou Seol com inferno e hades, este lugar se refere a sepultura, também chamado de abismo dos mortos. (Gênesis 37 : 35 ; 44 : 29). Não é o espírito do homem que desce ao Sheol na morte, mas sim a própria pessoa, ainda com sangue:  “Mas agora não o tenhas por inculpável, pois és homem sábio, e bem saberás o que lhe hás de fazer para que faças com que as suas cãs desçam à sepultura (sheol) com sangue.  E Davi dormiu com seus pais, e foi sepultado na cidade de Davi”. (1Reis 2 : 9 , 10 ACF)


INFERNO: O termo inferno não está no hebraico do antigo testamento nem no grego do novo testamento, mas vêm do latim “infernus”. Algumas traduções da bíblia o chamam de “Geena”. Quando o Senhor Jesus se refere ao “inferno”, está se reportando ao original que é “Geena”. Para ilustrar seus ensinos a respeito do mundo vindouro e da eternidade, Jesus usava de metáforas e parábolas que eram comparações de algo que existiu ou existia. No caso da realidade do inferno, Jesus se valeu da Geena que era o nome dado ao Vale de Hinon, que se localizava ao sul de Jerusalém. Era um verdadeiro “lixão público”, local onde se deixavam os resíduos, bem como toda a sorte de cadáveres de animais e malfeitores, e imundícies de todas as espécies, recolhidas da cidade. Neste local, era aceso um “fogo que nunca se apagava” e Jesus utilizou o exemplo deste lugar para mostrar a realidade do inferno que será o lugar para onde irão os perdidos que deliberadamente recusarão a salvação. Por isso, o inferno é o lugar de condenação e de fogo eterno inextinguível (Provérbios 7 : 27 ; Mateus 5 : 22 ; Marcos 9 : 43). No inferno não tem nenhuma alma humana, mas somente os anjos que pecaram e foram lá aprisionados com cadeias (2Pedro 2 : 4 ; Judas 1 : 6).


Mas a bíblia não diz que Jesus foi ao inferno e tomou as chaves da mão de Satanás? Não, a bíblia não diz isso! Mas existe esta crendice no meio cristão, por causa de uma interpretação forçada de Apocalipse 1 : 18, que diz: "E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno." Os que defendem essa tese afirmam que o diabo mantinha as almas presas no "inferno" sob seu domínio e que Jesus ao morrer foi lá para derrota-lo e depois tomar as chaves do inferno. Ora, Satanás não tinha chave alguma e a derrota dele por Jesus se deu na cruz e não no inferno. E o fato de Jesus afirmar, que possui as chaves da morte e do inferno, não significa que ele tenha ido lá, mas que ao ressuscitar Ele venceu a morte e agora tem o domínio sobre ela. E o ter as chaves do inferno não significa que Ele jogue as almas dos pecadores lá quando quiser sem antes julgá-los. Ter as chaves do inferno significa que Ele tem todo o poder, como o Pai lhe deu (Mateus 28 : 18);  e que só Ele, ou alguém com sua permissão poderá abrir e fechar esse lugar quando Ele mesmo determinar. Ou seja, tudo o que Jesus tem foi dado pelo Pai.

Apocalipse 9 : 1 - 11 mostra que durante o período da grande tribulação essa chave será dada a uma estrela para com ela abrir o poço do abismo (inferno). Nesse tempo serão solto os terríveis anjos-demônios que ora ali estão presos e que virão em forma de gafanhotos com poderes de escorpiões atormentarem os que não têm o sinal de Deus. A morte, inclusive, será presa por cinco meses nesse período, afinal, Jesus tem as chaves da morte. E observe que no final da grande tribulação, Jesus entregará essa mesma chave a um de seus anjos para que ele abra novamente o abismo (inferno), desta feita para aprisionar Satanás por mil anos (Apocalipse 20 : 1 - 3). Por isso que Jesus disse que o inferno foi preparado para o diabo e seus anjos (Mateus 25 : 41).


Agora, dizer que Jesus foi ao inferno e tomou de Satanás as chaves deste lugar é uma aberração e uma tremenda heresia, pois a Bíblia nada fala sobre isso. Se o diabo tivesse lá no inferno, como muitos pregam e ensinam, ele não estaria livre e atormentando a humanidade sem Deus ao longo dos anos. Logo, concluo que ninguém está no inferno, com exceção dos anjos rebeldes que foram lá lançados até o juízo. E que Jesus ao morrer não foi pra lá. O inferno inclusive pode ser comparado com o lago de fogo, pois ambos na bíblia são eternos e alí serão jogados aqueles que não se encontram inscritos os seus nomes no livro da via (Apocalipse 20 : 15).


HADES: De acordo com a mitologia grega, Hades era o deus das regiões dos mortos. Hades é uma transliteração comum para o português da palavra grega correspondente “hades”. Hades é inúmeras vezes traduzido erroneamente por inferno, contudo, seu real significado é: “o mundo subterrâneo ou o lugar da habitação dos mortos”. Hades é o mundo invisível dos espíritos dos que morreram. Um estado intermediário entre a vida e a ressurreição, de onde os mortos ressuscitarão para serem julgados. O Hades era o cativeiro onde as almas eram aprisionadas e, de certo modo, atormentadas. É o lugar que antes do advento redentor do Messias ficava alinhado com o seio de Abraão (paraíso), sendo dividido por um grande abismo. (Lucas 16 : 23). O hades não é eterno como o inferno e não é mencionado no antigo testamento. Ele é um lugar temporário que haverá de prestar contas dos mortos que nele há (Apocalipse 20 : 13); e que por fim, também será lançado no lago de fogo junto com a morte (Apocalipse 20 : 14). Foi pra este lugar e não para o inferno que os antediluvianos, como os sodomitas e outras pessoas sem salvação foram levados antes do advento do Messias. Foi no hades que Jesus foi pregar aos espíritos em prisão, como no caso da lição, aqueles que morreram no dilúvio.

Mas, qual a finalidade de Jesus ir pregar a estes se Noé, pregoeiro da justiça, pregou a Palavra por 120 anos? Teria sido sem efeito a pregação do justo Noé? Certamente que não, mas lembremos que nenhuma carne se salvou; nem homem, mulher ou criança. E há de se considerar que apesar de aquela geração se recusar a ter crido em Noé, quem sabe muitos na hora de agonia, vendo que iriam de fato morrer, se arrependeram e suplicaram a misericórdia e o favor de Deus. Não tenho dúvidas que muitos deles após contemplarem as águas inundando o planeta e destruindo tudo a sua frente voltaram atrás nos seus conceitos e se arrependeram, mas era tarde demais, pois a arca tinha sido fechada e selada. Mas a estes que foram para a prisão dos mortos sem salvação, Jesus foi lá e pregou pra eles. Não pregamos que somente Jesus é quem salva?

E a pregação de Jesus a estes foi REDENTIVA ou VINDICATIVA?

O que é VINDICATIVA? Segundo o dicionário significa: “punitivo” ; “vingativo”. Agora pense, se os antediluvianos já estavam no inferno sendo punidos, porque razão Jesus iria lá pregar a eles? Para dizer-lhes que estavam perdidos para sempre e aumentar ainda mais seus tormentos? Não creio assim. A bíblia tradução King James também diz que Jesus quando subiu aos céus levou cativos muitos prisioneiros. As outras versões dizem que Ele levou cativo o cativeiro (Efésios 4 : 8). Logo, conclui-se que a pregação de Jesus aos mortos foi REDENTIVA e não VINDICATIVA, sendo que sua morte na cruz teve efeito passado, presente e futuro, pois, "Jesus Cristo é o mesmo, ontem (passado), e hoje (atualidade), e eternamente (futuro)." (Hebreus 13 : 8). Se morte de Jesus na cruz abrangeu o futuro, salvando os homens nos séculos que se seguiram, porque não teria efeito retroativo se todas as coisas convergem Nele e para Ele (Colossenses 1 :1 6 , 17). Até porque, desde Adão até Moisés o mundo viveu sem a lei de Deus (Romanos 2 : 12). 
E também, Deus enviou seu filho ao mundo, não para condená-lo, mas para salvá-lo (João 3 : 17). Até que Jesus regresse e reine aqui por mil anos, e que ao final de tudo se estabeleça o juízo final, Ele não julgará ninguém, pois isso só vai acontecer quando Ele se assentar no trono branco ao final do milênio (Apocalipse 20 : 11). Jesus disse: "Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado essa o há de julgar no último dia." (João 12 : 48). Eis aqui mais uma razão para entendermos porque Jesus foi pregar aos mortos. Paulo diz que quando ele vier no seu reino, julgará os vivos e os mortos (2Timóteo 4 : 1 ; 1Pedro 4 : 5 , 6). Creio que pensar de outra forma é se igualar aqueles que se opõe a Deus e Sua Palavra questionando sua justiça. Deus é amor, é santo e justo. Ele julgará o mundo com equidade, isto é com plena justiça (Salmos 67 : 4).


Assim sendo, seria grande injustiça da parte de Deus julgar, condenar e mandar direto para o inferno aqueles que nunca ouviram sobre seu filho, pois Ele é o caminho, a verdade e a vida e ninguém irá o pai, senão por Ele (João 14 : 6). Vide o caso dos habitantes de Sodoma e Gomorra que pereceram pelo fogo divino por causa de seus pecados. Mas, Jesus afirmou que no juízo haverá mais tolerância para eles, do que para os que rejeitam Suas Palavras (Marcos 6 : 11). Que quer dizer isto? Que certamente alguns de Sodoma e Gomorra serão salvos no juízo, pois eles também ouviram a pregação do salvador quando Ele desceu ao mundo dos mortos. É claro que os que hoje morrem não terão mais essa oportunidade, pois a mensagem do evangelho da graça está pregado todos os dias. Para esses que atualmente ouvem o evangelho e não se convertem só resta o juízo (Hebreus 9 : 27).

CONCLUSÃO

Com já disse, não sou dono da verdade e nem tenho conhecimento a mais que os demais. Longe de mim tal presunção, mas, com base no que a bíblia ensina e sem achismos, concluo que  ninguém ainda foi julgado, condenado e lançado no lugar de tormento eterno (inferno). Deus é justo e fará isso com justiça quando esse dia chegar. E Ele há de julgar o mundo por intermédio dAquele que Ele enviou, tantos vivos como mortos: "Porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos."  (Atos 17 : 31).

Em Cristo,

Reginaldo Barbosa
Santa Bárbara do Pará.

Nenhum comentário:

Postar um comentário